Total de visualizações de página

sábado, 2 de novembro de 2013

ANTONIO COSTTA - POESIA SEM FRONTEIRAS


Um soneto em defesa dos pássaros silvestres do poeta Antonio Costta foi escolhido por alunos de Portugal, para participar de uma feira de arte em uma instalação denominada “Pássaros e Liberdade”. O evento foi realizado e divulgado em março deste ano no site da Universidade Católica Portuguesa, como consta neste link: http://www.eacfacfil.net/?p=4621.

PassaroseLiberdade2
A instalação “Pássaros e Liberdade” surgiu com o intuito de celebrar o início da primavera e de promover a reflexão sobre a liberdade no mundo de hoje.
A instalação foi montada pelo núcleo de estágio no dia 2 de março de 2013. A realização desta atividade coincidiu com a realização da Conferência “Educar para a Ética no Desporto”, organizada pela escola e pela Capital Europeia do Desporto – Guimarães 2013. Esta Conferência teve lugar no dia 07 de março, com a participação de entidades oficiais exteriores à escola – o Secretário de Estado do Desporto e o Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, que puderam, assim, apreciar o trabalho exposto no átrio da escola.

Foi colocado, na parte lateral do trabalho, o poema “Soneto do Pássaro” de António Costta:

Como é belo um pássaro em liberdade
Voando pelos campos bem cedinho;
Ou no galho d’árvore fazendo um ninho,
Cantando de tanta felicidade!…

Como é belo o gozar da liberdade!
E como é triste o mesmo passarinho
Numa gaiola longe do seu ninho
Cantando só por causa da saudade!

Mas o homem ao perder a liberdade
Não suporta a grande fatalidade
E contrata logo um bom advogado!…

Porém se ele for pobre, pobrezinho…
Como aquele coitado passarinho
Passará a vida inteira engaiolado!

(in PÁSSAROS, Poemas de António Costta, Edição e arte de Sammis Reachers)

Atualmente Antonio Costta está finalizando um novo livro intitulado “O Poder do Amor”. Esse livro é uma coletânea poética que ele está escrevendo em parceria com mais quatro poetas estrangeiros: Maria Petronilho (Portugal), Alma Velásquez de la Mora (México), Cristino Vidal Benavente (Espanha) e Teresa Ovejero de Vinciguerra (Argentina), com previsão de lançamento para início de 2014. “Estamos participando com aproximadamente 30 poemas cada um, falando do maior de todos os sentimentos: o Amor. Nunca organizar um livro me deu tanto prazer como este!”, disse Costta.

Segundo escreveu o poeta e jornalista Fábio Mozart “Costta revela-se um trabalhador da poesia, e mais, um verdadeiro embaixador das nossas melhores letras, fomentando relações culturais com diversos países da América Latina e Europa. Admiro a capacidade incomum desse poeta de resistir ao descaso com que se tratam as artes na província em que vive. Sua fecunda e atilada imaginação, aliada ao desejo de propagar sua obra, acabam por estimular aventuras literárias como esta.”




(Contracapa do livro O Poder do Amor)

domingo, 8 de setembro de 2013

Efigênio Moura lança novo livro em prestigiada noite na cidade do Congo

(Postado por : Wilker Muniz)

Escritor caririzeiro lança novo livro em prestigiada noite na cidade do Congo
‘Santana do Congo’ é o nome do livro lançado nesta sexta-feira (06), em Mostra Cultural da Cidade do Congo. ‘Santana do Congo’ é sobre a saga de Késsy Jones em busca do seu pai. A Festa de Santana, padroeira da cidade do Congo e a chegada de um circo no lugar formam o cenário do romance de Efigênio Moura, nascido em Monteiro.
Além da cidade do Congo, a estória também passa pelas cidades de Ouro Velho e Prata. Há, ainda, um ‘dicionário de paraibanês’ no livro. A ideia do escritor era produzir uma comédia romanceada e para isso utilizou o linguajar comum de cidades do interior paraibano.
“Santana do Congo” é a terceira obra literária de Efigênio Moura. Efigênio – ainda este ano – lançará o livro em João Pessoa, Campina Grande, Monteiro, Patos, Catolé do Rocha e Sousa.

Livro mostra linguajar das cidades da PB



‘Santana do Congo’ é sobre a saga de Késsy Jones em busca do seu pai.  A Festa de Santana, padroeira da cidade do Congo e a chegada de um circo no lugar formam o cenário do romance de Efigênio Moura, nascido em Monteiro. Além da cidade do Congo, a estória também passa pelas cidades de Ouro Velho e Prata. O livro conta, ainda, com um ‘dicionário de paraibanês’.A melhor maneira de ser universal é falar de sua aldeia. Com essa ideia na cabeça, o escritor Efigênio Moura estruturou uma comédia romanceada que utiliza o linguajar comum em cidades do interior paraibano. ‘Santana do Congo’ é o livro que ele lançará nesta sexta-feira, na Mostra Cultural da Cidade do Congo. Efigênio – ainda este ano – lançará o livro em João Pessoa, Campina Grande, Monteiro, Patos, Catolé do Rocha e Sousa.
“Santana do Congo” é a terceira obra literária do paraibano Efigênio Moura (radialista, formado em Marketing Estratégico e assessor de comunicação da UEPB). Não é a primeira vez que ele embarca em aventuras sóciolinguísticas. Além disso, suas obras sempre têm cidades paraibanas como cenário. Foi assim com ‘Eita gota!’ (que se passa em Monteiro) e também com ‘Ciço de Luzia’ (que se passa em Camalaú, Zabelê e Monteiro), livro que foi adotado para o vestibular 2014 da UEPB, tornando-se leitura básica para mais de 20 mil alunos que irão prestar vestibular. 

Fonte: Jãmarrí Nogueira

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ALGUNS COMENTÁRIOS NO EXTERIOR SOBRE A POESIA DE ANTONIO COSTTA



“Na poesia, como na prosa, ler-te é viajar na tua mente, é conhecer
Pilar e a sua gente… que beleza, Santo Deus!
Esta tua antologia poética ultrapassará todos os limites, pelo
merecimento que tem, pelos ensinamentos que nos dá, pelo amor que
transporta… Deus abençoe essas mãos que vão juntando em palavras os
belíssimos poemas que encantam a tua vida e conosco partilhas!”

MARIA PETRONILHO

(Poetisa - Lisboa, Portugal)
........................................................................................................................

“Ao ler Antonio, a simplicidade do complicado é notável. A situação
quotidiana de não olhar ao que de melhor está ao nosso lado – de não
notar a beleza de uma natureza que nos emoldura cada dia – desaparece
com a poesia de Antonio. Nos seus versos, agarra e dá brilho a tudo
isto: a chuva desta poesia, que limpa, que embeleza, que lava a alma.
O ler envolve, e um bom escritor, poeta ou não, envolve quem o lê nas
suas palavras.”

RICARDO BARRAS

(Poeta - Lisboa, Portugal)
........................................................................................................................

“Estimado poeta, quedo encantado con su lectura. La mente
, como en un
sueño hace icursiones retrospectivas para llevarte a lo más
profundamente lírico de la infancia.
Felicidades , por tan bellos, sencillos y estupendos versos en la fe
que muchos envidiarían si supiesen el valor que tiene... Sentir y
hablar con ese halo celestial.
Un cordial abrazo.”


RAFAEL ZAMBRANO
(Escritor - Espanha)
........................................................................................................................



“Antonio, escribes como todo un pàjaro poeta que ha encontrado de todo

en su vuelo a todo el mundo. Ahì queda la constancia de tu vuelo
sentimental como el del pàjaro poeta, real, tierno, sencillo
, sin
ningún rebuscamiento, a quien podemos acompañar fácilmente en sus
sentimientos, por la claridad con que escribes.
Admirable en su sencillès y enorme fè que contagia.
Antonio Costta, es un Señor Poeta.”

ALMA VELÁZQUEZ DE LA MOURA

(Poetisa – Chihuahua, México)

........................................................................................................................

“Antonio, sinceras tus palabras, seguro que en el cielo su eco

llegará. La sinceridad es desde luego cuanto vale y más se apreci
a si
cuando se compone se logra la belleza del arte. Se nota en tus versos
como escribes al detalle cuanto ese sentimiento más primario a tus
ojos salta a la vista. Siempre honesto eliges con tus palabras,
comunicar sencillamente aquello que a la gente más conmueve.
Un placer saludarte.”

LUÍS PÉREZ
(Escritor – Espanha)

........................................................................................................................



“No deja de resultar sorprendente en estos tiempos en que casi todas

las esferas del pensamiento parecen moverse en torno al rel
ativismo
más feroz aparezcan hombres de letras que desde el campo de la Poesía
se expresen desde conviccione
s profundas.
Hombre de principios inquebrantables, Antonio Costta es un ejemplo
claro de poeta entregado a su causa.
Su obra pivota en torno a una visión humanista del mundo que le ha
tocado vivir y al que sirve con una sensibildad fuera de toda duda.
Ejerce una poesia limpia y descontaminada, una poesía destinada a
llegar al corazón del ser humano mediante instrumentos líricos, en
ocasiones, muy próximos al misticismo clásico.
Una poesía, en fin, que no puede dejar a nadie indiferente pues
alcanza la fibra sensible del lector más imperturbable.”

VICENTE FERNANDEZ-CORTÉS

(Escritor – San Roque, Espanha)
........................................................................................................................

“CHUVA DE POESIAS”

Un libro de ANTONIO COSTTA

Debo comenzar, amigo ANTONIO COSTTA, negando tu afirmación de que eres un poeta aprendiz. Si ello fuera así, aprendices seríamos todos los que llevamos años entregados a este apasionante mundo de la poesía.

A pesar de mis dificultades con el idioma he leído con mucha fluidez “CHUVA DE POESIAS”, un libro que no puede dejar a nadie indiferente, con un verbo sublime y una cuidadísima música en las palabras.

Es una poesía auténticamente transparente que bebe en el acerbo de los mejores poetas contemporáneos, cuya influencia se deja ver con que refieres a asuntos transcendentes.

Es una poesía de luz y de compromiso con los pies en la tierra y la mirada en el cielo. Porque:

O amor é eterno

E efêmero é o ser!

Mantengo que la poesía no tendría sentido si el mundo fuera perfecto, que no habría poesía si el hombre no fuera un baúl de contradicciones. La poesía, el buen poeta como es caso debe abrir las heridas de las preguntas, hacer de su devenir una constante interrogación.

Te animo, amigo Antonio, a seguir en esta línea. Tiene un sitio en la poesía de habla portuguesa y sobre todo en el corazón de tus amigos, entre los que me cuento.

Un abrazo.

VICENTE MARTIN

(Poeta, escritor, professor na Universidade de Madrid, e diretor do fórum poético-literário em língua espanhola, o www.poesiapura.com).

........................................................................................................................


NA “CHUVA DE POESIAS”

Antonio

A poesia aqui corre calmamente como se corresse pela estrada afora...

Sente-se que corre para ser lida e ser apreciada, mesmo com chuva, com gotas grossas ou finas, e sentimos a sensação de Paz e de tranquilidade...

Que bom ter a oportunidade de ter entre os amigos um poeta tão puro.

Poesia é um estado de alma, é escrever o que sentimos e sem querer vemos que a poesia é simplesmente saber Amar e sentir que Deus também caminha por aqui.

Eu sei que a estrada é longa, mas sei que vais continuar a caminhar e a preparar novos caminhos com letras, muitas letras que vais misturando com Arte e que depressa surge... MAGIA.

Eu estarei aqui para te continuar a ler.

Um abraço fraterno.


LILI LARANJO

(Poetisa - Angola)
........................................................................................................................



Mi querido Antonio, leer con calma tu obra y me ha gustado mucho, por la habilidad que tienes para sacar palabras que adornen tus pensamientos, con una sencillez encomiable y más que nada por ese acendrado amor a tu tierra y ese convencimiento en la palabra de Jesús, con el que coincido plenamente.

Ni que decir tiene que valoro en su justa medida la valentía que muestras destacando a Dios en un buen porcentaje de tus versos, cosa insólita en estos tiempos, donde la moda está en las antípodas, por mor de una progresía bien lejana al progreso.

Te deseo de todo corazón que el alumbramiento de tu libro sea todo un éxito y ojalá que este deseo coincida con la realidad.

Hice para la ocasión una décima en endecasílabos, la cual te adjunto, así como este fuerte abrazo.

Que Dios te bendiga, amigo mío.



Te puedo asegurar, Antonio Costta,

que he sentido tan íntimo placer
con la obra que acabo de leer,
que quien haga lo mismo, se arregosta
y volverá a leerla más que aposta,
por ser un fiel dechado de enseñanza,
de bien hacer, belleza y esperanza,
que deja en buen lugar la poesía
y saca a relucir la valentía
de un hombre, por tener buena crianza.

CRISTINO VIDAL BENAVENTE

(Poeta – Toledo, Espanha)
........................................................................................................................

“Grandioso y mistica tu poesia cuando sale del corazon habla y dibuja

la pureza del alma”.

YRAIMA ROSALIA PAEZ

(Valencia – Venezuela)
...................................................................................

¿Qué importa las tormentas

De nuestra vida cotidiana?
Dicen que el amor no existe?
-Yo sueño con mi amor.

(ANTONIO COSTTA).


Existe toda una gran poesía mural que se interna en el océano del

"sueño", el cual afecta de una manera increíble, toda la historia del
hombre con su entorno cultural. Creo que es un verdadero pasillo entre
dos conciencias donde habita la parte más rica, creativa y "verdadera"
del ser humano.
Mi apoyo y un fuerte abrazo, amigo.

OSMANI LLOMBART

(Poeta cubano, residente em Miami)
........................................................................................................................



Antonio, tem sido uma satisfação para mim, descobrir a sua preciosa poesia tão bem elaborada, expressando a beleza de seus sentimentos.

Com muito carinho.

ANN LOUISE GORDON
- Poetisa -

(Los Ángeles - Estados Unidos)

http://www.poemasannlouise.com/biografia.asp

........................................................................................................................


Antonio

La poesía como antorcha encendida
se ilumina de una forma muy sentida
en tu bella inspiración.

Es un placer acompañarte,
Un abrazo.
Dios te bendiga.

Esther Gladys Noriega

(Argentina)

........................................................................................................................